A VELHA CIDADE PERDIDA

Leonor insistiu e Homero assinou o divórcio. Depois de trinta anos, cada um foi para o seu lado. Por estar sozinho ele resolveu voltar para a cidade em que passou a infância, a juventude e parte da idade adulta. Voltava não porque ela fosse o melhor lugar do mundo, mas porque era um bom lugar para morrer. No entanto, a cidade que ele conheceu quando criança e mesmo quando jovem, não existia mais. As poucas coisas que reconhecia estavam em ruínas ou sendo sendo demolidas, como os velhos abandonados que esperavam a hora da morte. Viver não é fácil, mas a velhice é pior ainda, é uma fase da vida sem energia e sem brilho, como a pálida luz do sol no fim de um dia. Escrito entre a primavera de 2009 e outono de 2010. Terceiro livro da trilogia A Cidade.