JudyGarland

Em meu livro recente, A loirinha do Charlton Hotel (Editora Baskerville, 345 páginas 40 reais), reúno vinte histórias curtas e uma longa. Longa em relação às outras, embora curta para publicar isolada em livro. O Estigma de Judy Garland foi escrita em 2008 e publicada no formato digital em janeiro de 2012, com outro título. Na época, recebi sugestões para publicar em livro. Como tinha 77 páginas achei conveniente reunir a outras histórias curtas. O que faço agora. É a história de um garoto violentado por um homem poderoso e que cresce habituado a se relacionar com homens.

Não julgo preferências sexuais. Adapto a história que ouvi em 2005 quando fui jantar na casa de amigos homossexuais de minha ex-mulher. Havia um sujeito mentiroso, mas muito mentiroso, que me inspirou a criar um personagem chamado Mon Amour (ele disse ser judeu rico que morou dez anos em Paris. Soube depois que não era judeu, nem morou em Paris), que usei em três crônicas para a Tribuna do Paraná. E havia também uma bichinha irritante. As implicâncias dela com coisas fúteis quase transformaram a noite num jantar desagradável.

Ao voltar para casa comentei com minha ex-mulher. Ela disse para eu ser tolerante porque a vida da bichinha foi um calvário. Embora os pais fossem pobres e humildes, gostavam de fazer swing e deixavam o filho pequeno com um velho vizinho que enrabava o garoto. A história de pobre fazendo swing me espantou mais que velho molestar garoto. Claro que o garoto era o centro da narrativa. A história real deu origem à novela, à qual acrescentei outros episódios. A bichinha não tem nome. Ela cometeu um assassinato e tem que falar sobre ele.

Como é parecida fisicamente com Judy Garland, o delegado a chama por este nome. Assim narro a história de Judy Garland, a bichinha, tendo oculta a de Judy Garland, a atriz. A história de uma é translação da outra. A história da bichinha pobre num lugar perdido é tão trágica como a de uma atriz famosa. Mudam detalhes e episódios. As duas querem ser felizes. A atriz Judy Garland, cujo nome real era Frances Ethel Gumm, é voz marcante do século 20, desde que aos dezesseis anos cantou Over the Rainbow em O Mágico de Oz, filme de 1939.

Ela canta: “Em algum lugar acima do arco-íris, há uma terra que ouvi uma vez em uma canção de ninar”. O verso pode ser interpretado como apelo por uma vida feliz. Judy foi vencedora e perdedora. Não teve uma jornada feliz. Desde jovem consumiu anfetaminas para aguentar ritmo de trabalho e barbitúricos para dormir. Quando morreu em Londres em junho de 1969 aos 47 anos, acharam que suicidou, porque tentou várias vezes. Mas concluíram que a overdose de remédios foi consequência do consumo por toda a vida, agravada pelo alcoolismo.

Judy encheu as burras de Hollywood de grana, mas sofreu. Era feia e baixinha (1h51). Executivos diziam que era feia e gorda. Doía. Mas doeu mais o comentário de Luís B. Mayer. Ele a chamou de “pequena corcunda”. Era insegura com a aparência, casou cinco vezes, quatro divórcios. A moral da novela é que a tragédia não escolhe pessoas, lugar e época. Ava Gardner não escapou do alcoolismo, Lana Turner foi amante de gangster morto pela filha. Elizabeth Taylor teve os seus perrengues. Rita Hayworth idem. Os percursos de Garland foram mais corrosivos. Atriz e personagem. Acontece.

 

Written by edilsonpereira