Antero-5

Antero Rocha morreu esta madrugada em Maringá de infarto enquanto dormia. Era um negro alto, com andar sereno e oscilante, como ginga original. Um personagem famoso na cidade, de estilo peculiar. Ele morava no Conjunto Borba Gato, o primeiro bairro em que morei depois de voltar casado de São Paulo, em agosto de 1980. Naquela época retirado do centro, hoje um bairro tranquilo. Antero tinha 69 anos. Um a mais que eu. Há alguns anos, sabendo que assessorava um vereador, eu o procurei na Câmara Municipal, para falar sobre os velhos tempos.

Mas ele não estava mais lá. Eu não o vi na última vez que quis vê-lo. Antes dessa, não me recordo. Certamente foi em algum dia de 1991, quando me mudei para Londrina de onde, em 1997, me mudei para Curitiba. Ficou este imenso vazio que de resto é o mesmo de muitos amigos da juventude e de boa parte da vida madura, que não revejo. Mas recordo que a primeira vez que vi Antero Rocha foi no começo de 1972, quando retornei a Maringá, depois de largar um inutil cargo de secretário geral da União Paranaense dos Estudantes Secundários em Curitiba, para onde fui na metade de 1971.

Antero assim como Diogenes Gomes estavam no movimento estudantil. Os dois estudavam no Colégio João XXIII. Antero era baiano e antes de Maringá, morou em Cianorte, onde passou parte da adolescência. Ficou alguns anos no movimento estudantil. Não recordo quantos, porque me afastei para trabalhar, primeiro na Alô Brasil por alguns meses e depois por dois anos no Bradesco, de onde sai em 1975 para trabalhar no jornal O Diário do Norte do Paraná, onde em agosto deste ano me iniciei no jornalismo.

Eu ganhava boa grana no Bradesco mas o emprego não permitia tempo para frequentar o curso de Direito na UEM, que comecei naquele ano. Em julho de 1978 me mudei para São Paulo onde trabalhei na Agência Folhas e de onde saiu em agosto de 1980 para retornar casado a Maringá. Este histórico explica em parte como eu era amigo do Antero mas não tinha com ele uma convivência intensa.

Isso não impedia que cada encontro nosso fosse uma pequena festa porque ele era um sujeito inteligente, bem humorado, cheio de histórias, algumas loucas, outras engraçadas, mas todas interessantes de ouvir. Era assim com todos. Antero fez de tudo um pouco na cidade. Ainda quando morava em Maringá recordo dele com aquele sorriso enigmático que nunca sabia se era ironia, diversão ou timidez, dizendo que ia criar uma revista para mulheres. Pensei que fosse gaiatice, mas ele criou Mulher Atual, uma revista para mulheres, que durou vários números.

Ele sempre estava envolvido em algum projeto. Era um tremendo pé de valsa e até onde me recordo, as pessoas que se aproximavam dele gostavam de seu jeito. Participou de campanhas políticas como a do Zé do Bar do Zé (José Bacarim) e de outros. E nos últimos tempos estava envolvido com o projeto Eu Amo Maringá. Escrever sobre ele é também uma forma de escrever sobre um pedaço de meu passado. Vaya con Dios, amigo. Hasta la vista!

 

Written by edilsonpereira